Amigos do Fingidor

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O problema está na rima


Pedro Lucas Lindoso

Seria trágico se não fosse cômico. Veio consultar-me, como advogado, uma humilde senhorinha, muito simpática. Sua sobrinha, moradora da periferia de Manaus, está muito triste e revoltada.
A moça é musa de uma equipe de futebol do Peladão. Como se sabe o Peladão de Manaus é o maior campeonato de peladas do mundo. Reúne três coisas que o homem médio brasileiro muito aprecia: mulheres, futebol e uma boa cerveja.
Pois bem, cada time elege uma musa. Há mais de quatrocentos times inscritos no campeonato deste ano. Houve a primeira eliminatória com a escolha de cem moças. Cada uma representando seu time na qualidade de musa. A moça em questão ficou fora dessa primeira grande repescagem. Ou seja, ficou fora das cem primeiras classificadas.
Segundo regras do campeonato, a classificação das moças eleva a pontuação dos times. Entendo que não se classificar em uma eliminatória, em que são escolhidas uma centena de moças, deve ser um baque terrível em qualquer autoestima. Afinal, cem é um número bastante expressivo.
Sou de opinião de que não existe moça jovem feia. A juventude em si é sinônimo de beleza e vigor.
Disse-me a tia que a menina estaria se sentindo injustiçada porque não tem um nome da moda. Ela gostaria de ter um nome americano. Ou pelo menos que tivesse y, k ou uma letra dobrada. Que fosse um nome de princesa, de menina rica.
Perguntei o nome da garota. Chama-se Raimunda. A tia explicou que a família veio do Alto Acre e são vizinhos da Amazônia peruana. Santa Raimunda do Bom Sucesso é uma devoção popular para o povo da região. Incluindo também os países vizinhos Peru e Bolívia.
Argumentei que conheci e conheço várias Raimundas. Todas carinhosamente chamadas de Rai. Todas ótimas pessoas. Mas a garota não quer mais o prenome e a consulta é se é possível mudar.
As decisões judiciais têm sido favoráveis pela alteração do prenome, quando da exposição ao ridículo. Há muitos anos o Tribunal de Justiça de São Paulo permitiu a alteração do nome de Kumio Tanaka para Jorge Tanaka. A pronúncia “Cumi o Tanaka” ridicularizava o cidadão.
A menina deseja mudar o nome para KRYSLAYNNY, com k, y e n dobrado. Só assim, acredita, conseguirá ser rainha do Peladão.
A garota desabafou dizendo que o nome a expõe ao ridículo. O problema do nome Raimunda é a rima.


domingo, 17 de setembro de 2017

sábado, 16 de setembro de 2017

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

buritis silvestres


Zemaria Pinto


o meu primeiro poema
foi escrito sob a sombra
dos buritizais em flor

não tinha papel nem lápis
apenas as mãos nervosas
e a boca ressecada
buscando tuas mãos geladas
e teu hálito de rosas

as palmas alvoroçadas
acenando contra o vento
da tarde o vasto silêncio
teciam a cada assobio
a melopeia do tempo

no chão de areia gravado
meu poema era um navio
de amarras soltas no mundo
à procura da ventura
de navegar outros rios

caía uma chuva fina
de frágeis cristais de luz
e buritis amarelos


Noel Rosa pelo Coral Vozes



IGHA promove novos lançamentos



Câncer: a partitura desarmônica da vida



João Bosco Botelho

O mundo continua, com justa razão, alerta contra o câncer como a mais importante doença da atualidade. A razão é contundente: a medicina não oferece, na maior parte dos casos, respostas convincentes.
É importante assinalar que existem milhares de tipos de cânceres e não é privilégio dos humanos: pode ocorrer em qualquer animal e vegetal multicelular. 
É provável que os cânceres sejam provocados por múltiplos fatores internos e externos à célula.  Os determinantes internos seriam representados pelo código genético específicos para cada tipo de câncer, na estrutura do genoma (como o teclado de um piano) e os externos pelos incontáveis fatores físicos, químicos e biológicos que poderiam estimular a chave genética (atuando no teclado, produzindo sons desafinados) resultando nos cânceres. 
A construção metafórica seria assim: cada ser humano teria o seu próprio teclado de informações genéticas produzindo partituras harmoniosas em equilíbrio dinâmico com a vida social. Em determinado momento, o teclado, ao ser tocado de forma incorreta, por influência de um ou mais fatores extrínsecos, forneceria um som estranho à partitura, na organização da vida, dando como resultado o câncer. 
O aparecimento do câncer deve acontecer muito mais vezes do que supomos. É pouco provável que milhões de combinações moleculares efetuadas de uma só vez, a cada minuto, no genoma não comportem erros.  Certamente, estamos submetidos continuamente, durante a vida, ao processo canceroso.  Entre muitas dúvidas é saber por que as defesas imunológicas do corpo conseguem bloquear a maior parte dos cânceres e perde a capacidade para outros. 
Respeitados cancerologistas, como o francês Dominique Stehelin, um dos responsáveis pela descoberta do oncogene (o fator intrínseco contido no teclado do piano) afirma que o câncer é a doença mais complicada do homem. 
O exemplo mais marcante e socialmente importante é a relação entre o hábito de fumar cigarros e o câncer do pulmão.  As pesquisas realizadas pelo Instituto de Câncer de Amsterdã mostraram o mesmo defeito no gene K Ras em trinta e nove pacientes fumantes. Contudo, uma pessoa pode fumar a vida inteira e não morrer de câncer. Como se o seu teclado, por mais que seja estimulado, não forneça o som desarmônico.    
Como ainda não dispomos de tratamento eficaz para a maior parte dos cânceres, são válidas as campanhas de alertas contra os fatores externos – como a do tabagismo –, que tocam erradamente o teclado, relacionados com o aparecimento dos cânceres de pulmão, laringe, boca e bexiga.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

terça-feira, 12 de setembro de 2017

O estereótipo acaba de chegar



Pedro Lucas Lindoso


Feriadão em Manaus. No mercadinho do bairro um senhor esbaforido, com cara de dono do negócio, reclama da vida:
– É sempre assim. Esse pessoal não tem responsabilidade. Não tem palavra. Fiz uma escala de trabalho nos dias de feriado. Estou pagando hora extra a 100 por cento. Tudo combinado. Tudo dentro da lei. Não adiantou nada. Faltaram dois.
Chovia. Argumentei que quando chove é assim mesmo. O caboclo tem medo de temporal. Veja como está ventando. Isso é uma tempestade tropical. Ninguém sai de casa. É até perigoso mesmo. No que ele complementou:
 – Quando chove, o caboclo amazonense não vai nem para o enterro dele. Deixa para morrer no dia seguinte. Depois da chuva. O senhor não é amazonense, eu presumo.
Disse-lhe que era amazonense e filho de amazonenses.
– Não parece, tem cara de gente do sul. O caboclo é muito preguiçoso. Dizem que o baiano é preguiçoso. Lá na Bahia eles usam a palavra malemolência. Mas pelo menos o baiano é mais responsável. Aliás, o brasileiro em geral é preguiçoso. Lembro-me que há muitos anos vi um filme com o finado Grande Otelo. Macunaíma. Dizem que ele representava o povo brasileiro. No filme, o personagem Macunaíma dizia o tempo todo:
“Ai, que preguiça...”
Agora eu faço a pergunta. O senhor é amazonense? Respondeu-me que era paulista. Mas estava aqui já há alguns anos e já se considerava amazonense.
– Manaus é uma terra muito boa. Eu gosto daqui, me disse sorrindo.
Eu lhe disse que sua visão do caboclo é um estereótipo. O paulista, que parecia ser bom comerciante, mas de poucas letras, argumentou:
– Estereótipo, que nada. É preguiça, meu senhor. Mas o que é estereótipo mesmo?
Disse-lhe que estereótipo é essa visão generalizada. Uma imagem preconcebida, depreciativa e sem fundamento que ele demonstrou do amazonense, do baiano e do brasileiro em geral.
Nesse momento chega um caboclo forte, simpático e sorridente. Todo molhado. Pediu desculpas pelo atraso. Chovia muito e havia poucos ônibus.
– O senhor tem razão, me disse. O estereótipo acabou de chegar!


domingo, 10 de setembro de 2017

sábado, 9 de setembro de 2017

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Momento



Zemaria Pinto


não sou anjo nem mulher
apenas sou esse sopro
de carne e sal e espuma
sobre uma concha de vento
ou um lençol de cetim

nem menina nem mulher
apenas esse perfume
entre almíscar e alfazema
e um leve cheiro marinho
entre o mênstruo e o mureru

nem poeta nem mulher   
apenas essa menina
enredada na tristeza
que toma conta de mim
olhando correr o rio

anjo menina mulher
apenas sou esse gesto
forjado pelo desejo
tatuado em fogo e beijo
em meu peito de poeta

Construções da ética médica grega


João Bosco Botelho


No século 4 a.C., na ilha de Cós, sob a liderança de Hipócrates, organizou-se o marco da nova e fundamental etapa da Medicina na construção dos procedimentos éticos atados à busca da materialidade da doença.
Apesar de saber-se, pelos indicativos etimólogos e linguísticos, que das 72 obras contidas no “Corpo Hipocrático”, conjunto de textos produzidos na ilha de Cós, somente 12 foram reconhecidamente escritos por Hipócrates. Esse conjunto filosófico-médico iniciou o processo da separação da Medicina das ideias e crenças religiosas.
Nesse contexto, num dos livros mais importantes, “Da Medicina Antiga”, escrito por Políbio, genro de Hipócrates, está elaborada a teoria dos Quatro Humores, a primeira estrutura edificada com o objetivo de explicar a saúde e as doenças fora das ideias e crenças religiosas. O processo teórico explicita o corpo humano constituído de quatro humores: fleuma,  bile amarele, sangue e bile preta A saúde seria consequência do equilíbrio dos humores e a doença apareceria após o desequilíbrio, isto é, a predominância de um sobre os outros.
É importante ressaltar que Políbio estratificou a teoria dos Quatro Humores atada à teoria dos Quatro Elementos de Empédocles. Esse genial médico e filósofo pré-socrático, tentando entender o mundo, também fora das ideias e crenças religiosas, explicou o mundo visível por meio da combinação de quatro elementos fundamentais: ar, água, fogo e terra.
Desse modo, para cada elemento de Empédocles, existiria uma categoria denominada "humor": ar – fleuma; água – bile amarela; fogo – sangue; terra – bile preta.
Com imediata resposta à genialidade de Políbio, duas transformações mudariam a Medicina no Ocidente:
– As terapêuticas ficaram mais livres da presença dos deuses e deusas curadoras e firmaram propósito para retirar do corpo o excesso do(s) humor(es) desequilibrado(s), por meio das sangrias, suadouros, diarreias, vômitos e diurese.
– O primeiro código de ética médica – Juramento de Hipócrates – com admirável avanço, indicou, simultaneamente, a necessidade de os bons resultados estarem unidos ao respeito à dignidade do doente.
Por essa razão, usando a linguagem do filósofo francês Gaston Bachelard (1884-1962), é possível considerar esse acontecimento – a teoria dos Quatro Humores – como o primeiro corte epistemológico da Medicina oficial.
A historicidade do Juramento de Hipócrates assinala pontos marcantes:
– Boas práticas, bons resultados atados à autonomia do doente;
– Competência, sigilo e responsabilidade profissional.



quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Fantasy Art - Galeria


The Sacrifice.
Dorian Cleavenger.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Égua é égua, égua!


Pedro Lucas Lindoso

Recentemente, estive no Sudeste. A conversa de boteco, entre amigos de lá, girava em torno da atual novela das oito, da Globo. O assunto era a formosa Isis Valverde no papel de uma sereia amazônica. Há outras personagens de nossa região, inclusive a Fafá de Belém, única legítima paraense. Já descaracterizada, é verdade, em razão de ser figura global e internacionalmente conhecida.
Perguntaram se as moças daqui eram belas como a Ritinha da novela. Eu disse que sim. Aqui há belas moças de olhos sedutores e corpo de sereia, de longos cabelos negros e lisos. São as nossas cunhãs porangas.
Sempre perguntam sobre o calor amazônico. Eu lhes disse que nessa época de vazante, em que as águas dos rios baixam, as praias são bastante convidativas. Há o feriadão de setembro com a elevação do Amazonas à Província embolado com o feriado da Independência. Ótima oportunidade para ficar de bubuia numa praia do rio Negro.
Logo veio a pergunta sobre o significado de bubuia. Ora, bubuiar todo amazonense sabe – é ficar boiando, flutuando no rio. Aí veio a primeira provocação.
– Dejetos também ficam de bubuia? Claro que não, respondi. Dejetos ficam no remanso. Às vezes girando. Não afundam nem vão para frente. Candiru não come. Ficam ali na água, de leseira, como algumas pessoas. De fato, alguns lesos vivem como dejetos no remanso. Eu conheço alguns, inclusive aqui, do Sul maravilha.
Mas ficar de bubuia é prerrogativa de humanos, na minha concepção.
Finalmente me perguntaram sobre o uso da palavra égua. Eu vi alguns personagens da novela usando a expressão. Achei forçado. Fora de contexto. Em especial pelo tal de Zeca, primeiro namorado da Ritinha.
Mas e aí, o que significa égua? Insistiram.
Eu lhes disse que certa vez perguntei a um mineiro o significado da palavra UAI. E havia dois mineiros na conversa. A resposta que tive foi:
– Uai é uai, uai!
Risada geral.
Égua é égua, égua!

domingo, 3 de setembro de 2017

sábado, 2 de setembro de 2017

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Canção do exílio agora



Zemaria Pinto


Olhando o marimenso à minha frente
e a multidão que sob o sol passeia,
minha lembrança voa muito longe,
além da geografia, além do tempo.

Vejo o teu rosto, então, multiplicado
em cada rosto que me passa rente,
e o espanto inicial, grito abafado,
desliza de meus olhos lentamente.

Guardado há tanto para o reencontro,
de minha boca parte um beijopássaro
em busca do teu corpocontinente.

Na areia fina escrevo estas palavras,
embora desejasse eternizá-las                 
nos movimentos
dos ventos e das águas.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

I Mostra de Poesia - da Praça para a Academia (fotos)


A Academia Amazonense de Letras regozija-se em apresentar esta I Mostra de Poesia – da Praça para a Academia, trazendo para a Casa de Adriano Jorge os novos talentos da poesia amazonense. É “mostra” porque não se trata de competição; e “primeira” porque pretendemos que haja muitas outras. A praça é um lugar onde as pessoas se encontram, mas é também um lugar de passagem. E foi numa praça que, em 1954, o Clube da Madrugada – marcante movimento cultural liderado por jovens intelectuais do Amazonas – foi fundado. Mais de 60 anos passados, a Academia abre suas portas para receber os jovens de todas as praças.

Rosa Mendonça de Brito
Presidente da AAL


Presidente Rosa Brito abre os trabalhos.
Ovacionado pelo público, o decano da Academia, poeta Thiago de Mello.
A atriz Koia Refkalefsky, em participação especial, leu poemas de Anne Lucy e de Sálvia Haddad.
Everaldo Nascimento.
Grace Cordeiro.
Gracinete Felinto.
Inácio Oliveira.
José t. Gonzaga.
Miguel de Souza.
Pollyanna Furtado.
Rojefferson Moraes.
João Feijão (Vibe Positiva).
Anne Jezini.
Fotos: Anny Lucy.

Participaram ainda: Anne Lucy, Sálvia Haddad, Saturnino Valladares e Celestino Neto.

Curadoria/Organização: Zemaria Pinto

Estilhaços Literários - Marcio Santana



Code Time - nova exposição de Sergio Cardoso, no ICBEU



Medicina pré-socrática e a Tekhne


João Bosco Botelho


No século 4 a.C., na Grécia, a Medicina se apresentava na estrutura dos saberes que procuravam compreender a natureza visível e a invisível. A profissão estava sedimentada em sistemas de aprendizado e reprodução que influenciaram, profundamente, nos vinte séculos seguintes, os caminhos das práticas médicas no Ocidente.
É possível ter sido depois das guerras médicas (490-479) que a Medicina grega tenha atravessado esse notável desenvolvimento estrutural. A partir dessa época, o médico aparece como intermediário na formação social e na edificação do pensamento coletivo, iniciando a processo de ruptura entre a forte influência dos imemoriais laços mágicos das ideias e crenças religiosas.
Concomitante, ocorreu maior aderência às propostas pré-socráticas, especificamente, a dos filósofos jônicos, para a interpretação da natureza por meio da Tekhne. O médico iniciou outra atuação: atuou na observação dos sinais da natureza visível.
A Medicina se tornou essencialmente etiológica e aderiu ao pensamento de Leucipo de Mileto: "Nenhuma coisa se engendra ao acaso, mas todas (a partir) da razão e por necessidade". Este avanço de dimensões gigantescas possibilitou estabelecer a ponte que ligaria, definitivamente, o diagnóstico ao prognóstico.
Os elementos da natureza tornaram-se a medida de todas as coisas!
Os conceitos normativos alcançaram os significantes da doença como desvio do natural, do funcional e, em maior amplitude, mudança na physis do homem em torno de cinco categorias:
– Universalidade-individualidade: todas as coisas têm a sua physis própria, inclusive o homem com as suas partes, as doenças etc. O novo conceito também está claro no livro "Sobre os Lugares e o Homem": "A physis do corpo é o princípio da razão da Medicina".
– Harmonia: na aparência e na dinâmica a physis é harmoniosa.
– Racionalidade: a natureza é racional em si mesma, o logos no qual o homem se harmoniza está atado ao logos da natureza;
– Divindade: a physis é em si mesma divina.
A influência jônica foi tão grande que toda a literatura médica dessa época que chegou até nós foi registrada em prosa jônica, apesar de ter sido escrita em Cós, ilha de população e língua dóricas. Este fato só pode ser explicado pela aceitação entre os letrados do avanço da cultura e da ciência jônicas.
A preocupação em estabelecer um elo duradouro entre o binômio saúde-doença com a natureza circundante está presente na introdução do livro Dos Ventos, Águas e Regiões, escrito no século 4 a.C.: "Quem quiser aprender bem a arte de médico deve proceder assim: em primeiro lugar deve ter presentes as estações do ano e os seus efeitos, pois nem todas são iguais mas diferem radicalmente quanto a sua essência especificada e quanto as suas mudanças".
Sob esses argumentos, é possível entender que a Medicina tenha iniciado o afastamento das crenças e ideias religiosas na Grécia do século 4 a.C.


quarta-feira, 30 de agosto de 2017

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Desistiu de casar


Pedro Lucas Lindoso


Além do conhecido 11 de agosto, quando nós advogados celebramos nosso dia, duas outras efemérides de agosto chamaram minha atenção. Dia 13, dia do canhoto, e dia 15, quando foi celebrado o dia do solteiro.
Vamos começar pelos canhotos. Preconceito é algo odioso. Em todos os sentidos e de todas as formas. Os ignorantes sempre perseguem todo aquele que é considerado ‘diferente’ da maioria. Os canhotos, indivíduos que se utilizam da mão esquerda para comer, escrever e segurar objetos, já foram ou são motivo de discriminação.
Em Francês, “gauche” significa esquerdo, mas também pode significar algo incorreto ou mesmo desajeitado. Na língua italiana, canhoto é sinistro. Esquerda em Italiano é sinistra, o que também é pejorativo.  A palavra portuguesa “canhestro”, que é sinônimo de canhoto, também se apresenta como sinônimo de algo desajeitado ou errado.
Em Espanhol, canhoto é “zurdo”. Muito cuidado para não confundir “zurdo” (canhoto) com “surdo” em Português. Há o equivalente em Espanhol “sordo”, porém o termo mais adequado é “deficiente auditivo”, assim como em Português. É o que me explicou minha professora de Espanhol.
Quanto aos solteiros, melhor não opinar muito, pois pode ser desastroso.  Um jovem prestes a ficar noivo leu em algum lugar que “As únicas pessoas realmente felizes são mulheres casadas e homens solteiros”.
Eu lhe disse que evitaria opinar, pois poderia ofender minha esposa. Mas lhe disse que casamento é sim uma prova de resistência física, intelectual, moral e financeira. Mas que valia a pena.
Todavia, como advogado cabia lhe alertar que ao deixar de ser solteiro, nunca mais poderá voltar ao “status quo ante”. Ou seja, jamais poderia voltar a ser solteiro novamente.
E se eu me divorciar? Perguntou-me. Ficará divorciado, respondi-lhe. E se ela falecer, serás viúvo, ora, ora. Solteiro, jamais.
O rapaz desistiu de casar! Pretende celebrar o 15 de agosto até morrer.


domingo, 27 de agosto de 2017

Wilson das Neves (14/06/1936 – 26/08/2017)



O samba é meu dom
É no samba que eu vivo
Do samba é que eu ganho o meu pão
E é no samba que eu quero morrer
De baqueta na mão
Pois quem é de samba
Meu nome não esquece mais não


             (Fragmento de “O samba é meu dom”, de Wilson das Neves e 
Paulo César Pinheiro)

Manaus, amor e memória CCCXXXI



sábado, 26 de agosto de 2017

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

I Mostra de Poesia - da Praça para a Academia



Escolha do médico: elo de confiança


João Bosco Botelho


A doença não existe só em si mesma; em certo instante, pode ser entendida como abstrata, por ser nominada e classificada pelas pessoas, como história de longa duração.
A conjunção simultânea dos sinais e sintomas que a doença determina no corpo humano, impõem a observação pelo médico ou outro curador da doença como mal. Essa situação assume na prática como o ponto de partida para retirar as doenças das construções teóricas abstratas.
A consequência da enfermidade, entendido como mal que deve ser extirpado, constitui o principal pilar que alicerça a abordagem do doente, estruturando o elo de confiança entre o enfermo e o médico, não somente como fenômeno biológico, mas também parte da totalidade sociocultural de ambos, do curador e do doente. O controle das endemias sempre esteve diretamente ligado a essa realidade. O historiador Jaques Le Goff é enfático: "A doença não pertence somente à história superficial dos progressos científicos e tecnológicos, mas à história profunda dos saberes e das práticas ligadas às estruturas sociais, instituições, representações e mentalidades."
Um dos exemplos mais marcantes é a hanseníase. Essa doença começou a desaparecer da Europa, no século 17, trezentos anos antes do início do tratamento efetivo. Aqui reside um dos pontos cruciais do atual entendimento da medicina enquanto pratica social: é preciso que as escolas de medicina repensem as metodologias para que os alunos compreendam a dimensão social da doença.
A análise cultural das doenças pode contribuir também para esclarecer como se processa a escolha que o doente faz na procura do médico ou do curandeiro, consolidando o elo de confiança.  Em determinadas culturas distantes milhares de quilômetros entre si, esse encaminhamento é concretizado de modo semelhante, isto é, as pessoas se baseiam no sistema referencial dos amigos e não somente em indicadores objetivos do êxito profissional.
A milenar crença de que a doença é castigo divino ainda é marcante em muitas culturas.  Após a escolha do curador-popular, não necessariamente do médico, as práticas se distanciam rapidamente. Em certo sentido, em especial na construção do elo de confiança, a medicina popular pode ser mais competente que a medicina das universidades. O médico tende como resultado da sua formação desvinculada do sociocultural, abordar exclusivamente a doença em compartimentos corpóreos, enquanto que o curador popular se envolve com o dominante cultural e o utiliza no objetivo de curar.
A compreensão das enfermidades como forma de desvio social foi teorizada por Talcott Parsons (1902-1976), em 1951, foi marcada pelo etnocentrismo americano da década de cinquenta que acabou legitimando os Relatórios Flexner (Abraham Flexner, 1856-1959), publicado em 1910, que fechou mais da metade das faculdades de medicina e reformulou completamente o ensino da medicina nos Estados Unidos, ao defender: "O paciente tem a obrigação de buscar ajuda técnica competente (fundamentalmente, um médico) e cooperar no processo de recuperação".
Essa conduta fortaleceu a medicina e a morte hospitalar e fixou relação de absoluta dependência entre o doente e o médico. É evidente que o estudo de Parson é inaceitável nos países onde a maioria esmagadora da população não tem acesso à medicina hospitalar.  

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Izaura, com z, a chef de cuisine


Pedro Lucas Lindoso

As pessoas que vão trabalhar em nossa família costumam ficar para sempre. Eu tinha um mês de idade quando Dária Nascimento, a Darinha, foi parar em nossa casa. Chegou a conhecer meus filhos e morreu na nossa casa. Antonieta, a Teté, morou com a gente e depois foi responsável por ajudar minha tia Ana Maria a criar minhas primas. É minha comadre querida.
Outra figura importante da família é Izaura. Sem jamais ter cursado o “Cordon Bleu” tornou-se a nossa grande “chef de cuisine”. Filha de dona Adalgisa, já falecida, que um dia lhe ensinou:
– Minha filha, não trabalhe para gente sem educação. Os patrões acham que escolhem os empregados. Na verdade nós é que escolhemos os patrões. Não vale a pena trabalhar para gente sem eira nem beira.
Um dos orgulhos de Izaura é de ter cozinhado para banqueiros e grandes empresários amigos de meus tios, em São Paulo. Faz questão de lembrar já ter cozinhado para deputados, senadores e até para o ex-governador José Lindoso.
O falecido marido de Izaura, seu Oswaldo, trabalhava na Rede Globo-SP. Era eletricista. E, claro, conhecia muitos artistas e celebridades. Muitos globais provaram os quitutes de Izaura. Os elogios nem sempre repassados por seu Oswaldo, que “monopolizava” as amizades com os “famosos”.
A Editora Marco Zero publicou uma série de livros de receitas. “100 Comidinhas para comer com cerveja” foi um magnífico sucesso editorial. Elaborado pela grande escritora e querida cunhada Maria José Silveira. Há um consenso na família de que o significativo resultado de vendas deve-se à participação de Izaura com sua famosa receita de “batatinhas”.
O lado libanês da família já aprovou com louvor os “charutos” da Izaura e na questão das sobremesas o pudim de claras é imbatível.
Em minha opinião, a grande especialidade da Izaura é o “cozidão”. Só ela sabe o ponto correto de cada verdura, de modo a não ficar uma mais cozida que a outra. Administrar a correta textura dos legumes é só para uma “chef" como Izaura. 
Dona Adalgisa tinha razão. Para ser uma “chef de cuisine” é melhor escolher a patroa certa do que cursar o tal de “Cordon Bleu”. Acho até que Izaura pode ganhar o master chef. É só se inscrever!


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Maria Camargo lança o roteiro da série Dois Irmãos


No lançamento, a autora fará uma explanação sobre adaptação/roteiro.

domingo, 20 de agosto de 2017

sábado, 19 de agosto de 2017

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

exercício da crueldade


Zemaria Pinto


palavras são serpentes, são navalhas
são balas que explodem dentro do peito
de quem ouve e de quem fala!


A medicina de Hipócrates


João Bosco Botelho


Hipócrates, segundo Sorano de Éfeso, nasceu na ilha de Cós, em 460 a.C., filho do médico Heráclides, aprendeu os segredos da prática médica com o pai e nas viagens a Tessália, Trácia, Líbia e Egito.
Esse período admirável da Medicina grega, do qual Hipócrates foi o mais importante representante, compreendeu cinco centros de cultura médica que receberam os respectivos nomes da cidade onde funcionaram: Cós, fundada por Hipócrates, em 440 a. C., Rhodes, Cnido, Crotona e Agrigento.
Devido à importância fundamental na história da Medicina, a Escola de Cós acabou absorvendo a denominação de medicina hipocrática em menção honrosa a Hipócrates. 
O sucesso da Escola Médica de Cós, deve-se ao fato de ter sido onde Hipócrates e seus seguidores estruturaram as bases da Medicina grega na busca da materialidade das moléstias. Nesse núcleo fervilhando de novas propostas para sair das práticas de curas fortemente atadas às crenças e ideias religiosas oriundas do Egito e da Mesopotâmia, tornou-se responsável pela primeira teoria laica para explicar a saúde e a doença – a teoria dos Quatro Humores –, publicada pelo genial Políbio, o genro de Hipócrates. A proposta foi tão consistente que se manteve em discussão até o final de século 18, entre os luminares da Medicina ocidental.
A medicina hipocrática pode ser compreendida por meio das obras publicadas pelos médicos da Escola de Cós responsáveis por dezenas de textos com atualidade até hoje, quando as práticas médicas iniciaram o processo de separação das crenças e ideias religiosas. A cura deixou de ser um atributo exclusivo dos deuses protetores ou vingadores para ser explicada pela Medicina, onde era possível e preferível que o homem agisse sobre o outro homem doente, para alcançar a melhoria da saúde.
A estrutura teórica da Medicina hipocrática está contida no pensamento filosófico grego pré-socrático, notadamente, na teoria dos Quatro Elementos de Empédocles (água, terra, ar e fogo). Posteriormente, foi incluído no mundo das ideias platônico-aristotélicas.
Dessa forma, é possível estabelecer o marco fundamental da medicina hipocrática: só é possível entender a saúde e a doença se o homem for estudado em conjunto com o ambiente onde vive.